Fim de semana em Duquesne

Testemunho

O fim de semana Duquesne de Patti Gallagher Mansfield

As pessoas freqüentemente me perguntam se eu me canso de contar a história do fim de semana em Duquesne. Eu nunca o faço, porque é uma história de amor - a história da resposta graciosa e extraordinária de Deus à oração de algumas pessoas muito comuns.

Em Lucas 11, Jesus diz: “Peça e você receberá, procurará e encontrará; bata e ele será aberto para você. Se vocês, que são maus, sabem dar boas coisas a seus filhos, QUANTO MAIS o Pai Celestial DÁ O ESPÍRITO SANTO àqueles que LHE pedem. ” Aqui está um princípio infalível: Desde o primeiro Pentecostes em diante, o Espírito Santo sempre veio em resposta à oração fervorosa ... à oração que tem fome e sede de mais de Deus ... à oração que pede, procura e bate. Descrevo em meu livro As By A New Pentecost, como todo o século XX foi dedicado ao Espírito Santo de uma maneira especial. A Beata Elena Guerra, na virada do século XX, instou o Papa Leão XIII a convocar toda a Igreja a rezar com mais fervor ao Espírito Santo ... para ser, por assim dizer, um Cenáculo permanente de oração. E é claro que você se lembra da oração ao Espírito que oramos pelo Concílio Vaticano II: "Espírito Divino, renove Suas maravilhas neste dia como se fosse um novo Pentecostes".

Na primavera de 1966, dois professores da Universidade de Duquesne estavam PERGUNTANDO, PROCURANDO e BATIZANDO. Eles se comprometeram a orar diariamente por um derramamento maior do Espírito Santo em suas vidas, usando o belo Hino de Seqüência de Pentecostes. No meio desse período de oração, alguns amigos lhes deram dois livros: A Cruz e o Canivete e Eles Falam com Outras Línguas. Ambos os livros descrevem a experiência do batismo no Espírito Santo. Os homens de Duquesne perceberam que esse batismo no Espírito era exatamente o que estavam procurando.

Em janeiro de 1967, quatro católicos de Duquesne participaram de sua primeira reunião de oração carismática interdenominacional - a reunião de Chapel Hill - na casa de Miss Flo Dodge, uma presbiteriana cheia de espírito. Curiosamente, alguns meses antes da chegada desses católicos, o Senhor levou Flo a ler Isaías 48, onde anuncia que está prestes a fazer “uma coisa nova”.

De fato, Deus estava prestes a fazer uma coisa nova entre os católicos como resultado da reunião de oração. As pessoas de Duquesne ficaram impressionadas com o que testemunharam lá. Em 20 de janeiro, dois dos homens retornaram. Eles receberam o batismo no Espírito Santo e começaram a manifestar dons carismáticos. Eles voltaram para casa para orar com os outros dois que não compareceram naquela noite.

Naquela época, eu era membro do grupo de Estudo das Escrituras de Chi Rho que se reunia no campus de Duquesne. Dois desses professores atuaram como moderadores de Chi Rho e, embora não tenham nos contado abertamente sobre sua experiência carismática, aqueles que os conheciam bem perceberam que irradiavam uma nova alegria. Estávamos planejando nosso retiro em fevereiro e os professores sugeriram um novo tema: “O Espírito Santo”. Em preparação para o retiro, eles nos disseram para orar com expectativa, ler A Cruz e o canivete e ler os quatro primeiros capítulos dos Atos dos Apóstolos.

Alguns dias antes do retiro, ajoelhei-me no meu quarto e orei: “Senhor, creio que já recebi seu Espírito no batismo e na confirmação. Mas se for possível para o seu Espírito estar mais trabalhando na minha vida do que Ele tem estado até agora, EU QUERO! ” A resposta dramática à minha oração estava prestes a chegar.

Em 17 de fevereiro, cerca de 25 de nós partiram para a casa da Arca e do Retiro da Pomba, nos arredores da cidade. Enquanto nos reuníamos para cada sessão, nossos professores nos disseram para cantar em oração o antigo hino Veni Creator Spiritus, “Come Creator Spirit”. Na sexta-feira à noite houve uma meditação sobre Mary. Depois tivemos um serviço de penitência. No evangelho de João, lemos que quando o Espírito Santo vier, Ele convencerá o mundo do pecado. Foi o que aconteceu entre nós quando nos arrependemos no Sacramento da Reconciliação.

No sábado, um membro do Grupo de Oração de Chapel Hill veio falar sobre Atos, capítulo 2. Tudo o que nos disseram foi que ela era uma amiga protestante de nossos professores. Embora sua apresentação fosse muito simples, estava cheia de poder espiritual. Ela falou sobre se render a Jesus como Senhor e Mestre. Ela descreveu o Espírito Santo como uma pessoa que a capacitava diariamente. Aqui estava alguém que realmente parecia conhecer Jesus intimamente e pessoalmente! Ela conhecia o poder do Espírito Santo como os apóstolos. Eu sabia que queria o que ela tinha e escrevi em minhas anotações: "Jesus, seja real para mim".

Na discussão que se seguiu à sua palestra, David Mangan propôs que encerrássemos nosso retiro renovando nossa Confirmação ... que nós, como jovens adultos, dizemos nosso “sim” pessoal ao Espírito Santo. Passei o braço pelo dele e disse: "Mesmo que ninguém mais queira fazer isso, eu faço". Rasguei uma folha de papel e escrevi: "Quero um milagre!", E a publiquei no quadro de avisos.

Sábado à noite, uma festa de aniversário foi planejada para alguns de nossos membros, mas havia um apatia no grupo. Entrei na capela no andar de cima ... não para orar, mas para dizer a todos os alunos que viessem para a festa. No entanto, quando entrei e me ajoelhei na presença de Jesus no Santíssimo Sacramento, literalmente tremi com um sentimento de reverência diante de Sua majestade. Eu sabia de uma maneira esmagadora que Ele é o rei dos reis, o senhor dos senhores. Pensei: "É melhor você sair daqui rápido antes que algo aconteça com você". Mas substituir meu medo era um desejo muito maior de me entregar incondicionalmente a Deus.

Orei: “Pai, dou minha vida a você. Tudo o que você me pede, eu aceito. E se isso significa sofrimento, eu também aceito isso. Apenas me ensine a seguir Jesus e amar como Ele ama. ” No momento seguinte, me vi prostrado, de bruços e inundado com uma experiência do amor misericordioso de Deus ... um amor que é totalmente imerecido, mas generosamente dado. Sim, é verdade o que São Paulo escreve: "O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo". Meus sapatos saíram no processo. Eu estava de fato em terreno sagrado. Eu senti como se quisesse morrer e estar com Deus. A oração de Santo Agostinho capta minha experiência: "Ó Senhor, você nos fez para si mesmo e nosso coração fica inquieto até descansar em você". Por mais que eu quisesse relaxar na presença dele, sabia que se eu, que não sou ninguém especial, pudesse experimentar o amor de Deus dessa maneira, qualquer pessoa na face da Terra poderia fazê-lo.

Corri para contar ao capelão o que havia acontecido e ele disse que David Mangan estava na capela diante de mim e havia encontrado a presença de Deus da mesma maneira. Duas garotas me disseram que meu rosto estava brilhando e queriam saber o que havia acontecido. Eu não estava familiarizado o suficiente com as Escrituras para conhecer aquela passagem em II Coríntios, onde descreve Moisés, cujo rosto brilhava quando ele voltou da montanha. São Paulo escreve: “Todos nós, com rostos não revelados, contemplando a beleza do Senhor, estamos sendo transformados de um grau de glória para outro.” Eu conduzi esses dois alunos para a capela e comecei a orar: “Senhor, o que você fez por mim, faça por eles!” Esse foi provavelmente o menor seminário de Vida no Espírito já registrado!

Dentro da hora seguinte, Deus soberanamente atraiu muitos dos estudantes para a capela. Alguns estavam rindo, outros chorando. Alguns oraram em línguas, outros (como eu) sentiram uma sensação de queimação nas mãos. Um dos professores entrou e exclamou: “O que o bispo vai dizer quando ouvir que todas essas crianças foram batizadas no Espírito Santo!” Sim, houve uma festa de aniversário naquela noite, Deus a havia planejado na capela do Cenáculo. Foi o nascimento da Renovação Carismática Católica!

Quando voltamos ao campus, criamos um alvoroço. Um amigo me disse: "Patti, se eu não te conhecesse melhor, diria que você estava bêbado!" Como os apóstolos após o Pentecostes, não podíamos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos. Nós literalmente tropeçamos em dons carismáticos como profecia, discernimento de espíritos e cura. Um de nossos professores testemunhou para seus amigos da Notre Dame e da Universidade Estadual do Michigan com estas palavras: “Não preciso mais acreditar no Pentecostes; Eu vi isso!" Nos últimos 40 anos, a graça deste novo Pentecostes se espalhou de um punhado de estudantes no fim de semana de Duquesne para milhões de católicos em todo o mundo. Por quê? Porque Deus está determinado a enviar Seu Espírito para renovar a face da terra.

Uma palavra final: em seu prefácio ao meu livro As As, por um novo pentecostes, o cardeal Suenens escreveu que “Jesus Cristo continua a nascer misticamente do Espírito Santo e de Maria” e que nunca devemos separar o que Deus uniu. Se nós, na Renovação, queremos proclamar Jesus ao mundo, precisamos do Espírito Santo e precisamos de Maria, a Mãe. Assim como Maria estava no Cenáculo no Pentecostes, ela está conosco sempre que voltamos ao Cenáculo. Se ao menos a recebermos como Mãe, como fez o discípulo amado João, ela nos ensinará: como se render à vontade do Pai, como ser fiel a Jesus na Cruz, como orar com um coração humilde, puro e dócil por mais do Espírito Santo, como ser uma família. Ela é a esposa do Espírito Santo e sabe melhor do que ninguém como ceder a ele.

E assim, ecoando o Magnificat de Maria, quero proclamar que: "Deus, que é poderoso, fez grandes coisas por nós, e santo é o Seu nome!"

 

AMÉM!

 

© Patti Gallagher Mansfield, 2007, www.ccrno.org Usado aqui com permissão.

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish es_COEspañol de Colombia zh_CN简体中文 pt_BRPortuguês do Brasil